ARTIGO

Proteja-se da Ação Destrutiva dos Psicopatas


Por: Vanessa Goulart*


O mundo corporativo é um cenário convidativo para o psicopata, o qual se utiliza das posições executivas atraentes, que além de lhe oferecer bons salários, proporcionar status social e poder, é um território amplo e fértil para a prática de sua influência. Em paralelo, em virtude de uma tendência de mercado as empresas estão a busca de profissionais que administrem com autocontrole riscos, sejam proativos e com capacidade de influenciar. Com isso, características do quadro de psicopatia como autoconfiança, manipulação, frieza ao tomar decisões podem ser confundidas com as competências exigidas pelo mercado atual, o que pode ser perigoso.

A psicopatia é um transtorno de personalidade que caracteriza-se pela ausência de consciência, sentimento de culpa ou remorso por enganar ou até mesmo tirar a vida de alguém, o que torna essas pessoas potencialmente ardilosas e perigosas. Para elas, transgredir as normas e externar seus desejos agressivos e instintivos sem qualquer escrúpulo ou culpa são atitudes “naturais” e por isso mesmo, isentas de qualquer autocrítica. São pessoas essencialmente más, cientes dos efeitos que seus comportamentos recaem sobre pessoas ao seu redor, mas simplesmente não se importam com isso.

Segundo um estudo do psicólogo americano Paul Babiak o psicopata no meio corporativo costuma adotar um plano tático em sua atuação. Já na entrevista de emprego, mostra-se cativante, narra de maneira segura inúmeros méritos e realizações de sua trajetória profissional, revela-se sedutor e de inteligência notável. Seu objetivo é impressionar o entrevistador da forma mais positiva possível. Depois de contratado estuda o território procurando descobrir quem são as pessoas que possuem voz ativa na empresa para então construir relações pessoais, de preferência íntimas, com esses colaboradores influentes. Ao exercer influencia nas pessoas chaves da organização começa intencionalmente espalhar falsas informações para que seja visto de maneira positiva e os outros de maneira negativa perante as chefias. Gera desconfiança entre os colegas, jogando-os uns contra os outros. Para manter isso faz contatos individuais, evitando situações nas quais precise se posicionar perante o grupo. Na sequência abandona as pessoas que havia cortejado anteriormente e que não são mais úteis à sua ascensão profissional. Para que suas vitimas mantenham o silêncio o psicopata utiliza da humilhação. Ao chegar na posição tão almejada após colocar colegas e chefias uns contras os outros, o psicopata ocupa o cargo que desejava fazendo com que a pessoa que até então ocupava a função seja demitida ou rebaixada de cargo.

Desta forma, os psicopatas costumam agir com tato e habilidade no cenário empresarial, tornando difícil identificá-los de imediato. Com isso, de maneira ardilosa e com o passar do tempo costumam provocar eventos nocivos ao ambiente de trabalho e causar grandes prejuízos financeiros para as empresas em que fazem parte. Mas talvez você se pergunte, como se proteger? A proteção está em conhecer a forma como agem, pois desta forma amenizamos os efeitos destrutivos dos psicopatas.


* Graduada em Psicologia (PUC-PR) com Formação e Pós-Formação em Gestalt Terapia; Colaboradora da ZHZ Consultores por 10 anos e desde junho de 2015 atua como Psicóloga Clínica.